Blog da Suzane Carvalho

Categoria : PNEUS

Começa hoje a obrigatoriedade da etiquetagem de pneus
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

suzane_noticia_programa-brasileiro-de-etiquetagem-de-pneus

Com o objetivo de fornecer informações de desempenho dos pneus aos consumidores na hora da compra, o Inmetro, por meio do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), estabeleceu critérios que devem constar obrigatoriamente em todos os pneus produzidos e importados no Brasil a partir do dia 29 de outubro de 2016.

suzane_noticia_programa-brasileiro-de-etiquetagem-de-pneus_ruido_etiqueta

Clique para ampliar

De acordo com a portaria 544/12 do Inmetro, as informações que estarão na etiqueta nacional de conservação de energia (ENCE) serão a resistência ao rolamento, aderência em pista molhada e ruído externo. A etiqueta estará localizada na banda de rodagem dos pneusradiais para automóveis, pick-ups, SUVs, vans e camionetes, além dos pneus radiais para caminhões e ônibus.

“Esses critérios foram escolhidos por estarem relacionados aos impactos ao meio ambiente (resistência ao rolamento, que interfere no consumo de combustível, e a emissão de ruído) e à segurança veicular (aderência em pista molhada)”, comenta Concheta Feliciano, diretora de Marketing da Bridgestone do Brasil.

suzane_noticia_programa-brasileiro-de-etiquetagem-de-pneus_ruido_etiqueta_consumoResistência ao rolamento
Está diretamente relacionada à eficiência energética, uma vez que mede a energia absorvida quando o pneu está rodando. Com isso, quanto menor for a resistência ao rodar, menor será o consumo de combustível e, consequentemente, menor será o impacto ao meio ambiente (emissão de CO²).
Na etiqueta, os pneus serão classificados em até seis níveis, sendo A o mais eficiente e F aquele menos eficiente.

A minha pergunta aqui fica por conta do comportamento do carro, pois quanto maior o “grip”, ou seja a aderência, melhor será a tração, melhorando a estabilidade do carro, principalmente em curvas.  O tipo e qualidade da borracha definirá se o pneu é melhor para chuva, segurança em curvas ou para economia de combustível.

suzane_noticia_programa-brasileiro-de-etiquetagem-de-pneus_ruido_etiqueta_aderenciaAderência em pista molhada
É um indicador do desempenho que fornece informações ao consumidor a respeito da aderência do pneu em pistas molhadas. As escalas de desempenho serão de “A” (melhor desempenho) até E para veículos de passeio e pesados.
Essa classificação impacta na distância percorrida pelo veículo em pista molhada após a frenagem.

É ótimo que se esteja pensando cada vez mais na segurança de todos que fazem parte do trânsito. Mas a questão é um pouco mais complexa e é esse o ponto que deve ser modificado na preparação de motoristas e motociclistas: a distância de frenagem varia conforme não apenas o tipo de pneus utilizados, mas uma série de fatores influenciam e modificam esta distância, a começar pelo tempo e tipo de utilização dos próprios pneus, a calibragem utilizada, o peso do veículo, o tipo de piso onde se está rodando, as condições dos amortecedores e molas, e, principalmente, a maneira como foi utilizado o freio e a pressão despejada no pedal ou manete.  Esse é o tipo de treinamento que deve ser ensinado nas auto/motoescolas.

Ruído externo
Este critério indica o nível do ruído produzido pelos pneus em decibéis (dB) e, consequentemente, o impacto no meio ambiente (menos poluição sonora). Este critério deve ter como limite máximo até: 75 dB para pneus de veículos de passeio, 77 dB para pneus de veículos comerciais leves e 78 dB para pneus de caminhões e ônibus.

Quem mora próximo a rodovias e avenidas, sente bem este problema.  A qualidade da borracha e a calibragem influenciam no “barulho” produzido pelos pneus e no conforto que eles proporcionam. A questão principal é:  JAMAIS economize na hora de comprar e trocar os pneus. Sua integridade vale muito mais do que a diferença de preço entre pneus bons ou ruins.

suzane_noticia_programa-brasileiro-de-etiquetagem-de-pneus_ruido

As lojas terão 18 meses para vender os pneus ainda sem etiquetas que estão em seus estoques. A partir de abril de 2018 não será mais permitida a venda destes.

A portaria 544 do Inmetro não se aplica para pneus reformados, pneus de bicicletas, pneus para uso exclusivo em veículos agrícolas, pneus destinados a veículos de competições, militares, industriais e a empilhadeiras. Além disso, os pneus de motocicletas, motonetas, ciclomotores, veículos de coleção, pneus diagonais, off road, pneus para uso exclusivamente temporário e pneus destinados a veículos comerciais e rebocados do tipo radial, projetados para uso misto, apenas no eixo de tração estão amparados pela portaria 544. Esses modelos foram excluídos dos ensaios de desempenho e, por consequência, não terão etiquetas.


Como a Pirelli vê o novo circuito de Baku, para os pneus
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

suzane_noticia_pirellli_PNEUS_BAKU

A Fórmula 1 visita o mais novo país sede de um Grande Prêmio desde a entrada da Rússia no calendário, em 2014. São 32 países diferentes desde a criação do campeonato, em 1950.
A etapa da Europa, uma marca que estava fora da categoria desde 2012, quando foi realizada em Valência, na Espanha, será realizada em Baku. Este deve ser o circuito de rua mais rápido já visto.
Nesta prova, a Pirelli nomeou os compostos médio, macio e supermacio. Como sempre é o caso de novas praças, a Pirelli teve que usar informações e simuladores ao invés de dados reais, o que torna o processo de escolha dos pneus ainda mais complexo.

suzane_noticia_pirellli_PNEUS_BAKU_2

O CIRCUITO DO PONTO DE VISTA DO PNEU:
· Como é um circuito de rua, com asfalto novo, são esperadas baixa aderência e uma grande evolução da pista durante o fim de semana.
· Consumo e degradação podem ser baixos, por isso um espectro médio de tipos de pneus foi escolhido.
· Ultrapassar é complicado em uma pista estreita, o que significa que a estratégia e o treino classificatório serão vitais.
· Como os times não possuem qualquer informação sobre a pista, esperamos que todos os pilotos andem muito nos treinos livres.
· Velocidades máximas elevadas são esperadas na reta de 2.2 quilômetros ao longo da esplanada.
· Baku terá a segunda volta mais longa do calendário, apenas atrás de Spa-Francorchamps, na Bélgica, ao ter uma pista de 6.003 km de extensão.

OS TRÊS COMPOSTOS ESCOLHIDOS:
· Branco médio: este não foi escolhido de forma extensa pelas equipes, então não deve aparecer muito.
· Amarelo macio: um pneu de alta gama de trabalho, que pode ser muito importante no calor de Baku.
· Vermelho supermacio: a escolha mais popular, que será usada de forma pesada tanto no treino classificatório como na corrida.

O ÚLTIMO GRANDE PRÊMIO DA EUROPA:
· O último Grande Prêmio da Europa foi realizado quatro anos atrás, em Valência, na Espanha, sendo a oitava etapa daquela temporada. Fernando Alonso, então na Ferrari, venceu, mesmo saindo da 11ª colocação.

PAUL HEMBERY, DIRETOR DE MOTORSPORT DA PIRELLI:
· “Ouvimos muitas coisas interessantes sobre o circuito e parece que o seu caráter, tamanho de volta e velocidade farão com que ele se destaque. Obviamente, nunca é fácil quando vamos para uma pista nova pela primeira vez, mas as condições e os pneus são sempre os mesmos para todos. A seleção de compostos que nomeamos deve funcionar bem em uma grande gama de situações. Agora, é claro, vai depender dos times aproveitá-los ao máximo e identificar as melhores estratégias, por isso que os trabalhos nos treinos livres serão tão importantes”.

suzane_noticia_pirellli_PNEUS_BAKU_3

O QUE HÁ DE NOVIDADE:
· Basicamente, tudo!
· A largada será mais tarde do que o normal, às 17h locais, para um total de 51 voltas.

OUTRAS COISAS QUE CHAMARAM NOSSA ATENÇÃO RECENTEMENTE:
· Não houve uma variação excepcional das escolhas dos pneus entre cada time para Baku.
· Previsão do tempo prevê clima quente, mas com alta umidade: chuva é uma possibilidade.

Mesmo sendo um circuito composto por ruas da cidade, grande parte de sua superfície de asfalto é nova.


Fique por dentro do regulamento dos pneus na Fórmula 1
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

suzane_video_pneus_pirelli_formula1

Novidades dos pneus da Pirelli para a Fórmula 1 em 2016

Em adição aos 4 tipos de pneus para pista seca que já existiam, sendo eles laranja (duro), branco (médio), amarelo (macio) e vermelho (supermacio) a Pirelli passou produzir também o o de composto ultramacio, de cor roxa.
Em cada corrida as equipes podem optar por três desses tipos de compostos para pista seca.

No final de semana de corrida, a Pirelli leva para cada carro, 20 jogos de pneus, sendo:
– 3 jogos de pneus para pista molhada
– 4 jogos do tipo intermediário
– 13 jogos para pista seca

Todos os pneus recebem um código de barras e a FIA distribui os pneus para as equipes, duas semanas antes de cada corrida.

A Pireli indica dois jogos que deverão obrigatoriamente serem usados por cada carro; sendo um de reserva. E mais um jogo, com um composto mais macio, para ser utilizado no Q3.

As equipes ficam livres para escolherem os outros 10 jogos a serem utilizados.

Cada piloto de uma mesma equipe pode fazer suas próprias escolhas.

Todos os pilotos devem utilizar no mínimo dois jogos de diferentes compostos para pista seca.
O regulamento para pista molhada não muda.

Assista abaixo a animação gráfica que a Pirelli produziu, explicando o regulamento.
Bem legal.  =)


Você conhece a estrutura de um pneu de carro? Veja aqui como é.
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

suzane_noticia_estrutura_pneu_bridgestone

 

Os pneus são o principal elo entre o veículo e o solo. Eles são responsáveis pelo atrito entre o carro e o solo, transmitindo a força do motor e fazendo com que o carro se locomova.  Se forem ruins, não transmitem toda a potência.  Suportam a carga do veículo e absorvem os impactos do terreno.  Se forem ruins, fica incômodo estar dentro do carro, pois os passageiros sentirão mais as imperfeições do asfalto.  Eles exercem influência em todo o comportamento dinâmico de um carro. Se forem ruins, não adianta ter bons amortecedores e molas, pois os pneus não lerão os movimentos de transferência de peso.  Por isso, suas boas condições são iimprescindíveis para a segurança de motoristas e passageiros.

É muito importante que proprietários de veículos tenham consciência da importância de um bom pneu e jamais economizem na hora de trocá-los.  Prefira sempre aqueles que são compostos com um tipo de borracha que ofereça maior “grip” (aderência), mesmo que sua durabilidade for menor, ou sejam mais caros.  A SEGURANÇA tem que estar à frente de tudo.

José Carlos Quadrelli, gerente geral de Engenharia de Vendas da Bridgestone, defineO pneu possui diversos componentes cujas funções influem diretamente nos sistemas de suspensão, transmissão, tração, direção e frenagem. Seu conhecimento adequado ajuda o consumidor a ter mais segurança e economia com o seu veículo”, diz.

Para ajudar os motoristas, a empresa elaborou um material detalhando as estruturas  e suas respectivas funções:

Estrutura de um pneu:

  • Banda de rodagem: é a única parte do pneu em contato com o solo. O desenho da banda de rodagem afeta a aderência em pisos secos e molhados e influência diretamente a emissão de ruído e a drenagem de água. A banda de rodagem possui os seguintes elementos principais:

– Sulcos: servem para drenar a água, evitar deslizamento, refrigerar e reduzir ruídos. São neles que se encontram os TWIs (Tread Wear Indicator) que sinalizam quando o pneu deve ser trocado.

– Ombro: essa parte do pneu é uma das que mais sofrem pelos desgastes excessivos. É uma área de grande esforço, pois recebe a força lateral durante as curvas e tem arrastes intermitentes.

– Barras: as barras geram a tração e são a parte em contato com o solo.

– Ranhuras: auxiliam a drenagem de água e a refrigeração do pneu. As ranhuras também são responsáveis por diminuir a ressonância.

  • Lateral: possui borracha com propriedades específicas mais resistentes à fadiga gerada pela grande solicitação de flexão e extensão, além do envelhecimento devido ao tempo de exposição a ações climáticas. Também sofre abrasões intermitentes devido a roçamentos.
  • Talão: é formado por fios de aço banhados por cobre e revestido individualmente por borracha para evitar a oxidação e facilitar a adesão. O talão fixa o pneu na roda de maneira a evitar o vazamento de ar e garantir que não ocorrerá destalonamento durante a solicitação normal de uso.
  • Cintas estabilizadoras: as cintas têm influência direta no desempenho do pneu, na dirigibilidade, no conforto e em sua durabilidade. Cada cinta é formada por fios de aço de configurações específicas para determinadas aplicações e é revestida de borracha para facilitar a adesão com outros compostos de borracha. Tem a função de proporcionar estabilidade na zona de rodagem, proteger a carcaça de impactos e perfurações, além de restringir o diâmetro do pneu.
  • Carcaça: também possuindo direta influência no desempenho, a carcaça é formada por cordonéis de poliéster, nylon ou aço. As lonas de corpo recebem uma camada de borracha de ambos os lados para aumentar a adesão e evitar atrito interno. A carcaça resiste à pressão, suporta peso, choques, esforços gerados pelo torque do motor e aquecimento gerados por alta velocidade.

§  Estanque ou liner: presente nos pneus sem câmara de ar, o estanque é o revestimento interno formado por camadas de borracha que protegem a carcaça contra umidade, além de estancar o vazamento do ar comprimido, evitando a perda de pressão do pneu.

Nas inscrições das laterais dos pneus é possível ler o tamanho, capacidade de carga e velocidade máxima para aquele pneu, modelo, origem, certificações de qualidade e data de fabricação. Todos os pneumáticos possuem estas informações em suas paredes laterais. Estes dados funcionam como o “DNA” do pneu e são de extrema importância para a segurança do motorista, além de úteis na troca dos pneus.

“As montadoras realizam testes rígidos para escolherem os modelos mais indicados de pneus para cada tipo de veículo. Todas as especificações do produto escolhido podem ser encontradas no manual do proprietário”, diz Quadrelli. 

Para entender melhor as nomenclaturas, vamos tomar como exemplo o pneu Bridgestone B250 Ecopia 165/70R13 79T:

bridgestone_turanza_EL41__205-60-16

Bridgestone Turanza 205/60 R16

Bridgestone – nome do fabricante
B250 – denominação comercial do produto (modelo)
Ecopia – identificação de versão com baixa resistência ao rolamento
165 – largura nominal da seção do pneu em milímetros
70 – altura da seção do pneu (70% da medida da largura nominal da seção do pneu)
R – tipo de construção “Radial”
13 – diâmetro do aro em polegadas
79 – índice de capacidade de carga (437 kg)
T – símbolo de velocidade máxima (190 km/h)

Além destas indicações, existe um número de série composto de 11 dígitos em seguida à palavra “DOT” em uma das paredes laterais (que identifica o “Department of Transportation” dos EUA e que instituiu este tipo de marcação). Os quatro últimos dígitos deste número identificam a data de fabricação do pneu: 1316 – data de fabricação (Ex.: 13ª semana de 2016)

Quando a vida útil do pneu chega ao fim, muitos motoristas ficam na dúvida sobre qual modelo comprar. Mesmo que a versão do pneu tenha sua produção encerrada ou se opte por outra fabricante, com essas informações, o consumidor consegue comprar um produto que segue as recomendações que constam no manual do veículo.


Pirelli lança pneus para motos, que duram 25 mil km
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

suzane_noticia_pneus_pirelli-super-city_para-motos-de-baixa-cilindrada

 

A Pirelli está lançando, para o mercado latino americano, um novo pneu para motos de baixa cilindrada e promete que é possível rodar mais de 25 mil quilômetros com um jogo.

Com novo perfil de raio duplo, o Super City possui uma área de contato com o solo 17% mais larga e 11% mais curta, o que, segundo a fabricante, resulta em um nível superior de aderência. A durabilidade do novo pneu atinge mais de 25 mil quilômetros, o dobro em relação ao principal concorrente, declaradamente, o Levorin Matrix, testado em uma Honda CG 150 na medida 90/90-18 e realizado pelo instituto independente de pesquisas Falcão Bauer*.

Ele atende ao segmento de motocicletas de 100 e 160 cc, o mais representativo de toda a América Latina.  /tilizadas tanto profissionalmente quanto para escapar do trânsito no dia-a-dia e durante o fim de semana, estas motocicletas são alternativa para locomoção ágil e, principalmente, econômica. do ano que vem
O novo pneu começa a chegar às lojas ainda este mês, com duas medidas: 2.75 – 18 M/C 42P TT dianteiro e 90/90 – 18 M/C 51P TT traseiro. Mas a gama de medidas vai aumentar e até do ano que vem, serão onze medidas disponíveis.

“O Super City é a nova referência para o segmento de baixa cilindrada no que diz respeito à durabilidade. O ponto forte do pneu é que ele mantém o mesmo desempenho durante toda a vida útil, além de transmitir precisão e segurança na condução, tanto em asfalto seco quanto molhado”, afirma Humberto Andrade, diretor da unidade de pneus de motocicleta na América Latina.

Seu composto de rodagem foi desenvolvido visando prover um alto rendimento quilométrico e manter os níveis de performance na pilotagem, tanto em pisos secos quanto molhados. Para garantir que as dimensões do perfil fiquem estáveis durante a utilização, foi escolhida uma estrutura em poliéster que resulta em um módulo de maior rigidez com baixas deformações. Os fios em poliéster proporcionam uma alta integridade estrutural e, ao mesmo tempo, mantém os raios do perfil projetados (visando aumentar o rendimento quilométrico). Desta forma, obtem-se a desejada área de contato com o solo mais curta e mais larga, que oferece uma rodagem mais eficiente.
O benefício também é percebido na precisão com que o pneu mantém a trajetória, tanto nas retas como em inclinação, oferecendo confiança e segurança ao usuário em todas as condições.

O desenho do Super City foi projetado para reduzir o desgaste e aperfeiçoar a área de contato com o solo. Os sulcos foram redesenhados e reposicionados, deixando a região central mais lisa, com uma área de contato maior com o solo que, juntamente com o novo perfil e a nova estrutura, resultam em um rendimento quilométrico nunca antes visto em um pneu para motos de baixa cilindrada. A nova distribuição dos sulcos visa também otimizar a capacidade de drenagem de água em pisos molhados, com estabilidade e precisão superiores em piso seco. Para isso, o sulco único central do pneu dianteiro foi substituído por sulcos mais curtos e eficientes, o que resulta em mais borracha em contato com o solo e aprimora a capacidade de frenagem e dirigibilidade em pisos secos.

No visual, o Super City ficou com  mais esportivo e robusto.

Fonte: assessoria de imprensa da Pirelli.


Pirelli lança pneu radial para as esportivas de pequena cilindrada
Comentários 1

Suzane Carvalho

Pirelli lança pneu radial para as esportivas de pequena cilindrada

O crescente e concorrido mercado de motocicletas street de pequena cilindrada com apelo esportivo fez com que a Pirelli abrisse os olhos para esse nicho que representará, este ano, aproximadamente 8% de um mercado estimado para 1 milhão e 500 mil unidades.

Foram três anos de estudo e desenvolvimento dos engenheiros da Pirelli do Brasil em conjunto com os da matriz italiana para chegar ao Diablo Rosso II, o primeiro pneu radial para esse seguimento que será também distribuído para o mercado latino-americano.

Ainda em fase de homologação, o foco é para os modelos Honda CB 300, Honda CB 250R, Kawasaki Ninja 300, Yamaha FZ16, Dafra Roadwin 250R e Dafra Next 250.

Segundo a Pirelli, o novo desenho dos sulcos facilita a drenagem de água e melhoram em 20% a segurança no molhado e o composto é mais durável.  O centro do pneu não tem ranhuras, aumentando o grip.

“O processo industrial foi desenvolvido especialmente para o segmento e com uma tecnologia exclusiva, com objetivo de desenvolver um produto que apresenta significativa melhora em todos os atributos do pneu sem comprometer nenhuma das características, conforme o que ilustra o gráfico abaixo. (clique para ampliar)

O Diablo Rosso II dispõe de maior segurança, durabilidade, performance e design arrojado, comparado aos pneus com tecnologia convencional e compatível com as melhores motocicletas do mercado.”

A tecnologia radial confere uma maior estabilidade, melhorando a absorção das irregularidades da pista, e, consequentemente, atingindo alto nível de precisão. Outra tecnologia presente nesse produto é a EPT (Enhanced Patch Technology), que proporciona a otimização da área de contato com o solo, permitindo maior aderência e segurança na estrada, além de um aumento de rendimento quilométrico em até 20% comparado ao produto de tecnologia convencional.

O Diablo Rosso II foi desenvolvido em mais de 100 mil quilômetros de testes de rendimento quilométrico, além de testes dinâmicos específicos no laboratório indoor do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Pirelli em Santo André (São Paulo).  O investimento foi de mais de R$ 3 milhões.  Até 2017, a companhia prevê que investirá outros R$ 7 milhões no projeto para acompanhar o crescente volume de produção que virá com as novas homologações.

Eles estão sendo produzidos na unidade da Pirelli em Gravataí, no Rio Grande do Sul e estarão disponíveis para o mercado brasileiro ao longo do segundo semestre de 2013.  Para os outros países latino-americanos, serão comercializados a partir do início de 2014.

A Pirelli estima que venderá mais de um milhão de pneus Diablo Rosso II, compatíveis com as medidas das motos de pequena/média cilindrada da América Latina, tanto nos canais de reposição quanto no Equipamento Original.

A nova geração Diablo Rosso II revoluciona a condição de pilotagem com altos níveis de esportividade para garantir prestações e segurança para motocicletas de média cilindrada”, afirma Gianfranco Sgro, diretor geral de operações para América do Sul da Pirelli. “Este novo pneu atende às necessidades dos motociclistas deste segmento de mercado, carentes de um produto que dispusesse de tecnologia de ponta que a Pirelli já oferece para as motos de alta cilindrada”, afirma Gianfranco Sgro, diretor geral de operações para América do Sul da Pirelli.

“Procuramos desenhar o produto ideal para este segmento, oferecendo a melhor tecnologia e o mais avançado processo industrial de que dispomos”, afirma Marcelo Natalini, diretor da unidade de negócios motocicleta para América do Sul da Pirelli.

No teste deu para sentir que a mudança de direção das motos ficou mais precisa e rápida.

Serão seis diferentes medidas: duas para a dianteira e quatro para a traseira:

100/80 R 17 M/C 52H TL (R)         DIABLO ROSSO II     Dianteiro
110/70 R 17 M/C 54H TL (R)         DIABLO ROSSO II     Dianteiro
130/70 R 17 M/C 62H TL (R)         DIABLO ROSSO II     Traseiro
140/60 R 17 M/C 63H TL (R)         DIABLO ROSSO II     Traseiro
140/70 R 17 M/C 66H TL (R)         DIABLO ROSSO II     Traseiro
150/60 R 17 M/C 66H TL (R)         DIABLO ROSSO II     Traseiro

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>