Blog da Suzane Carvalho

Categoria : VIAGEM

Curtindo a Ilha de Cananeia com a Honda NC 750X
Comentários 7

Suzane Carvalho

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Cananeia é um dos maiores berçários de vida marinha do planeta

Parti para mais uma Moto-Viagem-Turismo-Aventura.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

O destino desta vez não foi longe: Ilha de Cananeia e sua região, no extremo litoral sul do estado de São Paulo, aproximadamente 320 km da capital.  Lá, foi onde uma das primeiras naus da caravana portuguesa aportou.  E por causa das disputas com os espanhóis e franceses, logo foi estabelecida uma vila e o primeiro povoado oficial das novas terras. Novas para os europeus, porque os índios, há muito já viviam aqui.  Inclusive em Cananeia.  Mas parece que por lá, diferentemente do norte fluminense, os portugueses se aliaram aos índios.

Com a moto, uma Honda NC 750X, já abastecida, pneus calibrados, freios e luzes verificadas, mala amarrada e coberta por lona, e capa de chuva à mão, saí de São Paulo já às 14:45 hs.  A NC estava com 8.745 km rodados.  Gosto de pegar uma moto com a quilometragem mais avançada para testar, para poder analisar o desgaste das peças e, principalmente, suspensões.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Peguei o Rodoanel para descer até a Rodovia dos Imigrantes. Nesse trecho, o movimento de caminhões é bastante grande.  Quando já começou a chover e tive que parar para colocar a capa.
Desci até o litoral paulista e segui para o sul, rumo a Peruíbe.  Nesse ponto somos obrigados a subir pela SP 101 até a BR 116, no trecho da Régis Bittencourt em Pedro Barros. Esse é o caminho que muitos fazem para ir para o sul, fugindo do eterno tráfego da Serra do Cafezal.

Tive sorte que a chuva parou enquanto entardecia.  É muito lindo pilotar moto enquanto o Sol se põe. Antes que escurecesse, parei para trocar a viseira por uma transparente e aproveitei para abastecer, pois não sabia se encontraria outro posto até meu destino.

suzane_viagem-teste_honda_nc750x_cananeia_71

Pilotar à noite requer maior atenção inclusive com as laterais

Para pilotar com segurança à noite, é preciso diminuir a velocidade e prestar muita atenção em saídas e cruzamentos, sem deixar de ter atenção nos retrovisores.  Não gosto de pegar estrada nessas condições, quando estou de moto, mas às vezes é preciso.  E como a SP-226 é em mão dupla, toda a atenção, inclusive para os lados, para ficar atento a prováveis animais saindo da mata, é importante.  Diminuir a velocidade e andar dentro do seu limite de visão é primordial.  Os faróis com lâmpadas de 55 W para o baixo e 60 W para o alto, da NC 750X, são ótimos.  A capa do farol é clara e isso faz com que a luz se propague melhor.
O painel é perfeito: números pretos com fundo branco, e em uma posição de fácil leitura, em que não é preciso abaixar a cabeça para ler.

DICA =>Para cruzar a estrada, olhar diversas vezes para os dois lados, pois não é impossível vir um bêbado ou um recém habilitado com os faróis apagados.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Cananeia: Patrimônio Natural da Humanidade

Cananeia está em um corredor biológico de 110 km que se estende da foz do Rio Ribeira, em Iguape (SP), até a baia de Paranaguá (PR). É considerada um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica intocada na costa brasileira e um dos maiores berçários de vida marinha do planeta. Tombada pela UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade, é um dos melhores roteiros ecológicos do mundo.  E, sem dúvida, excelente lugar para fazer trilhas e passeios de moto.  Tem até um moto clube local. A cidade encontra-se em uma área de proteção ambiental e conta com sítios arqueológicos, sambaquis, datados entre seis e quatro mil anos, e também com ruínas do período colonial.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Portal de Cananeia

Cheguei no portal de Cananeia já às 18:30 e fui procurar um lugar para dormir.  São várias as opões de hotéis e pousadas e acabei optando por ficar na Pousada Villa de Cananea, bem no centro, pois fui atendida pelo dono, um biólogo que foi fazer pesquisas no local, e de lá não saiu mais.  Apesar de simples, é aconchegante e bem tratada.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

O centro mantém o jeito de vila

As pedras utilizadas em sua construção são de fato portuguesas, pois foram tiradas do fundo do mar onde os navios portugueses as jogavam, já que traziam como lastro, para depois trocar por carga valiosa.

As opções de hospedagem são grandes e variadas.  É possível ficar em pousadas bem simples ou em hotel grande, com conforto.  A cidade é democrática para quem quer se deleitar com a natureza.

Fui jantar na Av. Beira Mar, em um restaurante francês bem ambientado.  As opões de restaurantes ali também são grandes, para todos os gostos e bolsos; e a gastronomia chega a ser destaque.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Porto na Av. Beija Mar

No inverno o frio pode chegar a 5 graus centígrados e estava bastante frio quando fui. Pela manhã me dirigi ao píer que fica a apenas um quarteirão da pousada.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Grudado a Ilha de Cananeia estão a Ilha do Cardoso, que é um parque ecológico, e a Ilha Comprida, além da Ilha do Bom Abrigo, onde fica o Farol da Barra.  Peguei um barco para a Ilha do Cardoso.  A navegação é pelo Mar Pequeno, canal entre as Ilhas Comprida e de Cananeia, passando pela Baía dos golfinhos, onde botos-cinza ainda nadam acompanhando as embarcações, o que muito me lembrou minha infância, quando existiam botos na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, acompanhando as balsas que atravessavam para Niterói.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Ilha do Cardoso

É possível passar todo o dia e até acampar na Ilha do Cardoso, onde tem dois restaurantes, no lado que fica voltado para Cananeia.  Tem trilhas para todos os níveis, praias e cachoeiras.

Esta região de Cananeia é chamada Lagamar, reconhecido como um dos cinco maiores viveiros de espécies marinhas do mundo.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

45 km de praia para passear com a NC 750X

2º DIA

Rumo a Ilha Comprida.  Basta pegar a balsa para fazer a travessia, que demora menos de 10 minutos.  Cruze a Av. Intermares e pronto! Você se deparará com 45 km de praia de frente para o Atlântico!  E livre para trafegar.  Para o norte, o Boqueirão.  Para o sul, a praia da Trincheira, de onde você pode apreciar e fotografar os botos. Emancipada há 23 anos, Ilha Comprida ainda faz parte da Área de Proteção Ambiental de Cananeia.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Ilha Comprida

Foi ali onde me diverti de verdade com a moto.  É possível andar pela praia, junto ao mar, cortando os riachos. Sozinha, foi uma de minhas maiores aventuras, já que sou “menina do asfalto”.  Mas me senti totalmente à vontade andando em pé na NC 750X, que tem o centro de gravidade baixo e é fácil de manobrar.

3º DIA

Com frio e chuva, tirei o dia para conhecer a parte histórica da cidade.  Conversei com a historiadora Nana, que me contou muitas curiosidades locais.  Acostumada a receber turmas escolares, ela tem vasto conhecimento.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Centro Histórico de Cananeia

 

Os casarios históricos padronizados são bem coloridos. Alguns se mantiveram como residência e outros viraram pontos comerciais.
Os canhões que estão na Praça Martim Afonso, foram trazidos pelos portugueses.

 

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Escavações arqueológicas na igreja de 1.517

Na Igreja São João Batista de Cananea, bem rústica, datada de 1.517, estão acontecendo escavações arqueológicas.

“A primeira cidade fundada no Brasil” se mantém com jeito de “Vila” e tem ainda, conforme dizem, as ostras mais saborosas do mundo.

A Cataia é uma planta local de onde é extraída e feita uma cachaça (que provei!). Ela fica curtindo durante apenas um mês e pode ter sabores variados como mel e canela.  É chamada de “Whisky da Praia”.

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Casas de veraneio

 

A MOTO

suzane_viagem-teste_honda_nc750x_cananeia_74c

Com banco a 83,1 cm do chão e altura mínima de 16,4 cm, a ergonomia dessa moto, para mim, é perfeita. No estilo Crossover, dá a impressão de que posso dar a volta no mundo, sem levantar nem cansar.  O tanque de combustível fica na parte de trás do chassi e com isso a moto ganhou um grande baú de 21 litros na frente, onde você pode guardar até capacete.

honda_nc-750x_2015_motorComo o torque a e potência máximos estão em uma faixa de giro baixa, o consumo de combustível é muito baixo para uma moto com um motor desse tamanho e chega a 30 km por litro, dependendo da maneira como você a pilote. Em velocidade constante, a 120 km/h ela fica a 3.600 rpm. Essa nova versão da “NC” tem motor com exatos 745 cm³, potência máxima de 54,8 cv a 6.250 rpm e torque máximo de 6,94 kgm.f a 4.750.  Esse torque máximo nessa faixa de giro baixa é que torna a moto mais gostosa de curtir, em quanquer situação, seja para driblar os carros nas cidades, ara ultrapassagem nas estradas ou para subir barrancos em passeios off-road. A relação diâmetro x curso do pistão é de 77 x 80 mm.  A compressão, 10,7:1.

honda_nc-750x_2015_bauMesmo com quase 10.000 km rodados de testes feitos por jornalistas, a moto não apresentou absolutamente nenhum desgaste e a suspensão estava perfeita.  A traseira é do tipo pro-link com 150 mm de curso e a dianteira, garfo telescópico com 153,5.  Apenas os pneus eram novos.

Na pista de testes, ela bateu os 190 km\h mas a reta acabou e não deu para ver a velocidade final.

O quadro é do tipo Diamond-frame em aço, e os freios, disco de 320 mm na frente e 240 mm na traseira.
Pneus: 120 x 70 x 17” na frente e 160 x 60 x 17” na traseira.
Freios: duplo disco com  320 mm na dianteira e 240 na traseira e opção de ABS.
Ela pesa 205 kg (mais 4 para a versão com ABS).

honda_nc-750x_2015_chassi

No total, rodei aproximadamente 1.700 km com ela.

Veja as velocidades máximas atingidas em cada marcha, na pista de testes:

64
96
126
151
175
6a190… e acabou a pista

Abaixo, o consumo.  Como o tanque de combustível tem capacidade para 14,1 litros, se você fizer média de 25 km com 1 litro de gasolina, a autonomia será de 350 quilômetros.
O tipo de gasolina colocado em cada abastecimento influenciará no rendimento seguinte.
O tipo de rodagem e a maneira de pilotar a moto influenciam diretamente no consumo.

KMKM RODADOSMÉDIALITROS$/LITRO$ TOTALGASRODAGEM
10/068.745—–—–—–—–—–não sei—–
16/068.95020517,9311,433,4539,43GridEstr Chuva
19/069.13028020,228,93,3929,69Comum
25/069.387não seinão seinão seinão seinão seinão sei
26/069.67729025,3411,443,5040,03Gridcidade
9.893216,118,17 (20,6)11,89 (10.3)3,5542,19Gridrpm máx
10.160267,123,4911,373,3938,53V-Powerestrada
10.354—–—–—–—–—–—–—–

Assista ao vídeo em que faço a apresentação técnica completa da moto, e comento sobre seu comportamento:

Veja aqui uma galeria de fotos completa: http://suzanecarvalho.album.uol.com.br/honda-nc-750x

suzane_viagem-teste_honda_nc750x_cananeia_73

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015

Viagem teste com a Honda NC 750X 2015


“Estrada da Morte”, a melhor viagem de minha vida
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

 Fotos: Suzane Carvalho e Antônio Marcel

Aventura de Moto de Porto Velho a La Paz pela Estrada da Morte, na Bolívia.

Aventura de Moto de Porto Velho a La Paz pela Estrada da Morte, na Bolívia.

Álbum de fotos – Piloto Suzane Carvalho faz aventura de moto pela Estrada da Morte

Aventura de moto que sai da Porto Velho em Rondônia, passa por Guayaramerin, já na Bolívia, Ribeiralta, Rurrenabaque, Coroico, e de lá, para La Paz pela ‪EstradaDaMorte, com uma Honda XRE 300 Rally‬.
Foram 5 dias de muita aventura em minha primeira viagem de moto off-road.
Guiada pela ‪Tagino Adventure Tour‬, passei por lugares e fiz coisas que jamais pensei que fosse fazer, com uma moto.

‪#‎MelhorViagemDaVida‬
‪#‎Honda‬ ‪#‎XRErally‬
‪#‎RoadDeath‬
‪#‎RutaDeLaMuerte‬
‪#‎CarreteraDeLaMuerte‬
#EstradaDaMorte
#TaginoAdventureTour

No próximo post, contarei tudo.  Por enquanto, delicie-se com as fotos clicando no link abaixo:
http://suzanecarvalho.album.uol.com.br/estrada-da-morte

Aventura de Moto de Porto Velho a La Paz pela Estrada da Morte, na Bolívia.

Aventura de Moto de Porto Velho a La Paz pela Estrada da Morte, na Bolívia.


Passeando em Curitiba com a Honda PCX
Comentários COMENTE

Suzane Carvalho

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Parque Tanguá: sossego bom para leitura

Morei em Curitiba durante dois anos e meio, mas sempre sem tempo, nunca havia passeado pela cidade com o intuito de fazer turismo.

Aproveitei que fui correr uma etapa da Copa Honda CBR 500R no Autódromo Internacional de Curitiba e tirei três dias para conhecer a cidade como turista. Para tal, levei uma scooter típica para transporte urbano, uma Honda PCX.

Passeando com a Honda PCX em CuritibaDescobri que Curitiba é um lugar bem bacana para passear. O turismo é algo tranquilo, sem stress. Nos lugares públicos, como o Jardim Botânico e a Ópera de Arame, assim como nos restaurantes, o estacionamento nem é cobrado. Culturalmente, a cidade também tem muito a oferecer, com uma programação sempre intensa e diversificada. Limpa, se torna um lugar agradável de estar e passear.
Peguei dois dias nublados e outro, simplesmente lindo, quando o céu estava com um azul deslumbrante.

Passeando com a Honda PCX em CuritibaModerna e grande, com 1.752.000 habitantes, está bem espalhada e já cresceu para além das “BRs” que cercavam a cidade, juntando-se às cidades vizinhas que agora fazem parte da “Grande Curitiba”. Um anel viário em torno da cidade já está quase completo, faltando apenas a parte do nordeste.
São muitas as atrações, para todos os gostos. Uma das mais famosas, é o bairro italiano de Santa Felicidade, formado por imigrantes italianos que começaram a chegar ainda no século XIX e se instalaram nas terras doadas por Dona Felicidade Borges.

Há produção de vinho e suco de uva como os da tradicional Adega Durigan, instalada ali desde 1.873, quando a família veio de Treviso, na Itália. Assim como a do Vinhos Santa Felicidade, da família Strapasson desde 1887.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Rodízio italiano no Madalosso

O famoso Madalosso, inaugurado em 1963, deu origem a diversos outros restaurantes com rodízio de comida italiana. São seis salões com capacidade de servir quase 5.000 pessoas ao mesmo tempo em uma área de mais de 7.000 m². Pedindo, eles fazem também alguns pratos sem molhos, para quem vive de dieta eterna, como eu.  Só não gostei do atendimento.  Achei os garçons ríspidos demais.

Comi também em uma cantina pequena, bem típica italiana, chamada Bella Vita.
Apesar da evidente influência, no bairro italiano é possível encontrar todos os tipos de comida, inclusive, japonesa.

 Uma coisa que me chamou a atenção, foi que em Santa Felicidade, com tantos restaurantes imensos com rodízio de mais de 2.000 pessoas/dia em cada um, não vi trânsito na avenida. Isso acontece porque as entradas dos estacionamentos não são afuniladas. Simples, não?

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Parque Tingui

São muitos os parques dentro da cidade, o que faz com que a população possa ter momentos de lazer diários. Um dos maiores é o Parque Barigui, nome indígena do rio que o atravessa. Tem 1,4 milhão de m², fica perto de Santa Felicidade e apenas a 7 km do centro. Tem um imenso lago com 400 mil m², quadras de esporte, pavilhão de eventos e uma curiosidade: ao redor do lago vive uma família de capivaras soltas.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Memorial Ucraniano

O Parque Tingui, um pouco mais ao norte, também tem o nome originário nos índios que ali viveram. São 380 mil m² e também tem lago e muita área com vegetação nativa. Ali se encontra o Memorial Ucraniano, com uma réplica da igreja São Miguel Arcanjo, originária do final do século XIX, com estilo arquitetônico bizantino, cúpula em bronze e onde ficam expostas curiosidades da cultura e religião ucraniana.

Bem próximo dali, o Parque Tanguá é mais novo e menor. Foi inaugurado em 1996 e tem 235 mil m². O local foi uma pedreira e por isso tem um corte na pedra com uma cascata vertical de 65 metros de altura, um lago e um túnel, onde se pode ir de barco ou a pé. Acima de tudo isso, um belvedere e um jardim estilo francês.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Ainda no norte da cidade está o Ópera de Arame. Fui em sua inauguração, em 1992. É um teatro com arquitetura em estrutura tubular, em meio à natureza e à beira de um lago. Tem um palco de 400 m² e capacidade para 2.400 espectadores.

Andando um pouco para a parte leste na cidade, mas ainda ao norte, o Parque São Lourenço é outro que tem um grande Lago, área verde nativa e um Centro de Criatividade, que está no prédio onde foi uma antiga fábrica de cola, invadida por águas do Rio Belém que romperam a barreira da represa de São Lourenço.

Além dos grandes parques, alguns bosques estão espalhados por Curitiba, como os Bosque Italiano, Bosque Alemão, Bosque Portugal, Bosque do Papa João Paulo II, Bosque São Cristóvão.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

No Jardim Botânico, um dos cartões postais da cidade, não se paga estacionamento

Mas o parque que se tornou o preferido de curitibanos e turistas foi o Jardim Botânico, bem no meio da cidade. Inaugurado em 1991, logo se tornou o principal cartão postal e tem um charme todo especial. São 245 mil m² de jardins geométricos e uma imensa estufa de três abóbadas, feita em estrutura metálica, que abriga plantas da floresta atlântica. Tem ainda museu, bosque de araucárias, lago e velódromo.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

O estádio Arena da Baixada fica em meio a edifícios

Na cidade, nada menos que quatro estádios de futebol: o Pinheirão, o Durival de Brito, o Couto Pereira e o Joaquim Américo de Magalhães, do Clube Atlético Paranaense, vulgo Arena da Baixada, onde aconteceram quatro jogos da primeira fase da Copa do Mundo do Brasil.

A vida cultural de Curitiba é bastante intensa e anualmente acontecem festivais de teatro e música. O principal é o Teatro Guaíra, no centro da cidade, o primeiro teatro oficial do Paraná e inaugurado em 1884 com o nome de Theatro São Theodoro. Foi utilizado como presídio durante a Revolução Federalista (1893/95), demolido, e reconstruído em 1952.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Teatro Paiol

Já na parte sul, o Teatro Paiol foi um paiol de pólvora construído em 1906 e transformado em teatro de arena em 1971. Sendo um dos poucos no estilo no Brasil, sua arquitetura por si só, já é a atração.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Igreja do Rosário dos Pretos de São Benedito

 

Vale a pena parar a scooter para passear a pé no Centro Histórico, onde estão o Largo da Ordem, o lindo prédio do Paço da Liberdade, e Igreja do Rosário dos Pretos de São Benedito.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Rua 24 horas funciona só das 09 às 22 horas

Ainda no centro da cidade, a Rua 24 Horas, foi um projeto bem interessante, para uma cidade que estava se tornando notívaga. A ideia era a de ter serviços a qualquer hora do dia ou da noite. Infelizmente, por causa de constantes assaltos e da cara mão de obra noturna, não foi para frente e a maioria das lojas está vazia. Os restaurantes que resistem, fecham no máximo às 22 horas. Uma pena, pois além de estar localizada bem no centro, é um local em que não é difícil estacionar.

 

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Escultura em bronze em frente à Prefeitura

A Prefeitura fica no Centro Cívico onde também estão outras instalações de órgãos oficiais, como o Palácio do Governo e a Assembleia Legislativa. A escultura Luar do Sertão, feita em bronze pelo artista João Turin, fica em uma rotatória em frente à prefeitura.

Pertinho dali, o Museu Oscar Niemeyer, inaugurado em 2002, tem 16 mil m2 de exposições, teatro, e cafés.

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Museu Oscar Niemeyer

Passeando com a Honda PCX em Curitiba

Kartódromo Raceland tem bom Kart de aluguel

Aproveitei para dar umas voltas de Kart no Kartódromo Raceland, onde fica um dos melhores karts de aluguel do país, em pista de asfalto e com karts que utilizam motores de 9,5 hp.

Já participei de diversas corridas no AIC, Autódromo Internacional de Curitiba, com vitória na Fórmula 3 e corridas de longa duração. Ano passado corri pela primeira vez de moto, o que me deixou ainda mais encantada com a pista.

Curitiba é uma cidade onde é possível passear, relaxar e se divertir. Vale a pena.

A PCX

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_001

Após três dias passeando com a PCX em Curitiba, as impressões que tive foram as melhores possíveis. Ela é muito leve e fácil de guiar, confortável, e faz curva muito bem. O câmbio CVT ajuda na praticidade e é perfeito para o trânsito urbano, pois você não precisa ficar se preocupando em mudar a marcha toda hora.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_016_foto_caio_mattosA velocidade máxima é controlada eletronicamente e chegou a 118 km/h no velocímetro e 108 km/h no GPS.

Antes de entregá-la, dei umas voltas também pelo centro da cidade de São Paulo. Achei o torque bastante satisfatório. Nas saídas de semáforos, os motoboys paulistas não ficavam muito felizes, pois eu acelerava tudo e sempre saía na frente.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_motorMotor: à combustão, monocilíndrico de 152,9 cm3, OHC, 4 tempos, refrigerado a água, com 13,6 cv de potência máxima @ 8.500 rpm e torque de 1,41 kgf.m a 5.250 rpm. Apesar dos picos estarem distante 3.000 rpm, a relação diâmetro x curso do pistão é “quadrada”, de 58 x 57,9 mm, o que faz seu desempenho ser bastante equilibrado.  A taxa de compressão é boa, de 10,6:1. Os balancins roletados o deixam com funcionamento bem suave. É tão suave e silencioso que parece motor elétrico.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_motor_cambio_cvtCâmbio: CVT, ou seja, continuamente variável, com duas polias onde a correia muda de posição: enquanto uma polia aumenta de um lado, o outro diminui, mudando a relação entre elas, de forma que parece ter uma infinidade de marchas e ficando sempre com uma relação ideal, de acordo com a velocidade em que você está. A embreagem é centrífuga e automática.

Um conjunto de modificações no motor recebeu o nome de eSP (enhanced Smart Power, que significa “Força da Inteligência Aprimorada”), conceito que visa a baixa emissão de poluentes e de consumo de combustível sem perder desempenho.  Um deles é o micro sistema híbrido start-stop, que foi chamado de Idling Stop, que faz com que o motor desligue quando você para por mais de 3 segundos. Quando você acelera, ele religa de forma imediata e sem trancos. Isso colabora em muito para a economia de combustível. Se o piloto desejar, o sistema pode ser desligado.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_motor_arrefecimentoOutro, é o sistema de baixa fricção entre o cilindro e o pistão, e dos balancins roletados.  O eSP também atua em conjunto com o câmbio CVT fazendo com que a relação das polias se alongue quando você mantém velocidade constante.

O sistema de arrefecimento também faz parte do eSP.

Consumo: andei 130 quilômetros com um tanque, até entrar na reserva. Isso deu uma média de 28 km/l. Lembro que eu arrancava com giro alto, nas saídas dos sinais. O tanque tem capacidade para 5,9 litros, então dá uma autonomia de pelo menos 165 quilômetros.

Suspensão: ela é mais para durinha; o que eu, particularmente, gosto mais. Todas as motos que pego para testar, eu enrijeço molas e amortecedores, se tiver essas opções, pois prefiro o impacto mais firme ao invés de ficar sendo jogada para cima, como acontece com suspensões mais moles.
São 100 mm de curso na dianteira e, na traseira, 85 mm com dois amortecedores e molas.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_006

Pneus: pelo fato de ser estreito e montado em aro 14″, faz com ela fique leve para manobras rápidas e que você sinta menos as imperfeições do asfalto. Isso faz com que você tenha maior estabilidade tanto em curvas quanto em maior velocidade, pois os pneus dão menos voltas por metro percorrido.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_freiosFreios: foi uma coisa que me chamou a atenção. São de fato muito bons! Ela freia forte e rápido. No manete direito você utiliza o freio dianteiro, que é a disco com cáliper de dois pistões, e no manete esquerdo, o traseiro, que é a tambor. Para uma frenagem equilibrada e mais eficiente, o ideal é que se utilize sempre os dois freios juntos. Mas se você por acaso, em uma frenagem forte, utilizar somente o traseiro, o pistão central do freio dianteiro será automaticamente acionado, fazendo com que sua frenagem seja sempre equilibrada. Isso se chama Combined Brake System.

Chassi: O ângulo de inclinação que a PCX aceita é bem acentuado. É possível se divertir nas curvas.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_chassi

Luzes: como nos faróis são duas lâmpadas separadas, uma de 30 e outra de 35 W, a iluminação é muito boa, tanto à noite, quanto para chamar atenção de motoristas, durante o dia. Os piscas são bem grandes e de cor laranja.

suzane_lancamento_teste_honda_pcx_008O design bem moderno, com aparência robusta, te dá uma sensação maior de segurança. Lanternas e faróis bem grandes e alguns cromados, a deixam com ar mais sofisticado. O para-brisas fumê dá um charme bem especial.

Como praticidade, o espaço que tem debaixo do banco, para guardar objetos, é excelente. Até o tripé da câmera de vídeo levei ali, além guardar o capacete. Tem capacidade para 25 litros. Tem também um pequeno porta-luvas à esquerda, que é excelente para guardar tickets de estacionamento, pois não precisa de chave para abri-lo.

A coluna de direção tem chave de segurança e dá para trancar o guidão.

O abastecimento é feito na frente, no meio das pernas.

É vendida nas cores preto ou branco perolizados, por R$ 9.015,00, base São Paulo. A de cor preto fosco (DLX), por R$ 9.423,00.

 

Assista AQUI ao vídeo de apresentação completa dela, a AQUI, ao vídeo conclusivo após o passeio em Curitiba.

GALERIA DE FOTOS – CLIQUE PARA AMPLIAR


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>